CBN - A rádio que toca notícia

POLÍTICA

Representantes da sociedade temem retrocesso no combate à corrupção

Seminário analisará em Brasília meios de prevenir esse tipo de crime

08/12/19, 15:26

A
Câmara de Combate à Corrupção do Ministério Público Federal (MPF) realiza em Brasília, nesta segunda-feira (9), seminário sobre estratégias de combate à corrupção e uso da colaboração premiada, regras e políticas de compliance e outros meios de prevenção a práticas que sobrepõem o interesse privado ao interesse público.

A data do evento marca o aniversário da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, realizada em 2003, no México. O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodoc) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) estimam que, por ano, US$ 1 trilhão sejam pagos em subornos e cerca de US$ 2.6 trilhões sejam roubados por meio de corrupção – valores que equivalem a 5% de toda a riqueza produzida anualmente no planeta (Produto Interno Bruto - PIB - mundial).

O Brasil foi uma das 102 nações que assinaram a convenção. Em 16 anos, o país acumula avanços no combate à corrupção. Segundo o MPF, só com a Operação Lava Jato, foram recuperados aos cofres públicos, até outubro, mais de R$ 4 bilhões resultantes de acordos de leniência, termos de ajustamento de conduta (TACs) e restituições voluntárias de réus ou condenados.

“Ao longo desses anos, tivemos muitos avanços. Gosto de lembrar que a Constituição Federal de1988 não tem a expressão ‘controle social’ ou a palavra ‘transparência’. [Tais expressões] só foram incluídas em uma emenda constitucional de 2012”, assinala o economista Gil Castelo Branco, secretário-geral da Associação Contas Abertas, fundada em 2005.

Segunde Castelo Branco, os maiores avanços obtidos pelo país no acompanhamento e controle de gastos públicos foram a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a Lei Complementar nº 131/2009, que determina a disponibilização de informações em tempo real sobre execução orçamentária e financeira de todas unidades da Federação, e a Lei de Acesso à Informação (LAI).

Maquiagem

Entusiasta do marco legal, Castelo Branco afirma que o sucesso das leis sofre com “maquiagens”, más aplicações ou puro descumprimento. Ele diz que aguarda, há mais de um ano, resposta sobre denúncia documentada (com fotos) que fez, pormeio da Lei de Acesso à Informação, sobre o uso irregular de veículo público de uma autarquia federal. Segundo o economista, a obrigação publicar dados de gastos na internet não é plenamente cumprida. De 0 a 10, a nota geral de estados e municípios do Ranking Nacional da Transparência é apenas 5,21. E quanto à Lei de Responsabilidade Fiscal, os tribunais de contas interpretam de maneira diversa os limites e itens de gastos estabelecidos em lei.

O diretor executivo da organização não governamental (ONG) Transparência Brasil, Manoel Galdino, concorda sobre a aplicação volátil da LRF. “Há uma variabilidade muito grande quanto ao que cada tribunal de Contas faz”. De acordo com Galdino, a razão das diferenças é a forma como os cargos de conselheiros e ministros são distribuídos. “O problema de fundo mesmo é que os tribunais de Contas são politizados. Os tribunais não rejeitam as contas de governadores que indicaram os conselheiros.”

Na opinião do diretor da Transparência Brasil, o acompanhamento dos tribunais é estritamente legalista. “A gente deveria focar em saber se a política pública atingiu o resultado. Melhorou a educação? Melhorou a saúde? Está distribuindo renda? Está promovendo melhorias econômicas? Está reduzindo desigualdade racial? Isso é que a gente tinha que olhar”, ressalta.

“A gente olha só o rito formal, e os tribunais de conta fazem interpretações alternativas para justificar que está dentro da lei. Mas o mais importante, que é saber se melhorou ou não a vida das pessoas, ninguém avalia. Não adianta fazer uma licitação dentro dos conformes para uma política pública que não dá resultado”, afirma Galdino.

Segunda instância

Galdino e Castelo Branco são críticos da decisão do Supremo Tribunal Federal que extinguiu a validade da execução provisória de condenações criminais, mais conhecida como prisão após a segunda instância.

“Não estou entrando no mérito jurídico. Tem que ser cumprido o que a Constituição determina, mas a decisão [a terceira do STF sobre o tema] tem consequência para o combate à corrupção”, destaca Manoel Galdino. “A impunidade é um problema. No Brasil, essa medida beneficia pessoas ricas, poderosas, com dinheiro para pagar advogados caros. É um retrocesso.”

Já Castelo Branco diz que a impossibilidade da prisão após a segunda instância é uma coisa muito grave. “O país volta a ser o paraíso dos corruptos. A Disneylândia dos doleiros, dos empresários desonestos. Todos sabem que, com um bom advogado e recursos, o corrupto consegue protelar as acusações até prescreverem. O corrupto é um apostador. Ele mede riscos e, na medida que percebe que o ganho é grande e o risco é pequeno, ele tende a voltar a corromper.”

Imprensa livre

Os dois especialistas também fazem coro quanto à necessidade de a sociedade acompanhar a aplicação dos tributos que paga e o funcionamento da administração pública. “A sociedade precisa acreditar que pode muito mais do que imagina. Precisa entender que estejam no Executivo, no Legislativo ou no Judiciário, as pessoas que ocupam os poderes, eleitas, concursadas ou comissionadas, são nossos empregados, são nossos representantes”, enfatiza Castelo Branco.

“Não existe possibilidade de ter um combate à corrupção efetivo sem uma sociedade informada. Isso passa pela imprensa livre, com capacidade e estrutura para questionar o poder público e questionar”, acrescenta Galdino. “O controle social é fundamental para o combate à corrupção. Sem uma sociedade civil efetiva, com acesso à informação e uma imprensa livre, que fiscaliza e monitora o que o todos poderes públicos fazem.”

Para Castelo Branco, a imprensa livre é fundamental para ajudar a denunciar, apurar os fatos com responsabilidade. "Isso tem que ser encarado como algo absolutamente normal. A favor tem o press release (comunicado de imprensa) ou a campanha publicitária contratada”.

Fonte: JL/Agência Brasil
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
17/01/20, 20:10 | EDUCAÇÃO - Educação: Aluno nota mil na redação do Enem 2020 defende democratização do cinema
17/01/20, 20:05 | ECONOMIA - Feriados em dias úteis podem gerar perda de R$ 20 bilhões este ano na economia
17/01/20, 19:54 | ESPORTE - Pré-Olímpico: seleção brasileira sub-23 estreia contra o Peru no domingo
17/01/20, 18:26 | ARTIGO - Resistir ao fascismo, antes que seja tarde
17/01/20, 18:23 | POLÍTICA - Embaixador de Israel no Brasil pressionou Bolsonaro para demissão de Alvim
17/01/20, 18:10 | ARTIGO - Direito e Pagamento de Precatório
17/01/20, 18:03 | POLÍTICAS PÚBLICAS - Projeto de dança une mulheres pelo fim da violência de gênero em Teresina
17/01/20, 14:49 | INTERNACIONAL - Ataque à Previdência move protestos e rejeição a governos no Chile e na França
17/01/20, 14:45 | POLÍTICA - Assessores de Bolsonaro dizem que governo está sendo massacrado nas redes sociais
17/01/20, 14:20 | POLÍTICA - Vídeo nazista de Roberto Alvim é repudiado por embaixada e agência oficial da Alemanha
17/01/20, 13:54 | ECONOMIA - IPEA: Pessoas brancas e ricas têm mais acesso a emprego, saúde e educação que maioria da população
17/01/20, 13:47 | POLÊMICA - Após reproduzir propaganda nazista em discurso, governo demite secretário da Cultura
17/01/20, 13:42 | MEIO AMBIENTE - Nordeste tem altas temperaturas e chuva forte no Piauí e outros estados neste sábado
17/01/20, 13:33 | POLÍTICA - Eleições 2020: OAB Piauí e Observatório de Candidaturas Femininas realizarão o I Curso de Campanha Eleitoral para Mulheres
16/01/20, 21:12 | POLÍTICA - CPI das Fake News identifica origem de disparos em massa durante as eleições de 2018
16/01/20, 16:48 | POLÍTICA - Grupo político de Bolsonaro recebeu R$ 335 mil de fundo eleitoral
16/01/20, 16:43 | POLÊMICA - General Heleno tenta desmentir livro que ainda não foi publicado e xinga autora
16/01/20, 16:38 | QUALIDADE DE VIDA - Número de brasileiros residentes em Portugal bate recorde e passa de 150 mil
16/01/20, 15:24 | INTERNACIONAL - Julgamento do impeachment de Trump começa dia 21 no Senado dos EUA
16/01/20, 15:18 | POLÍTICA - Fenaj: Bolsonaro é responsável por mais da metade dos ataques a jornalistas em 2019
16/01/20, 15:10 | POLÍTICA - General encara Bolsonaro e diz que não tem cabimento colocar militares no INSS
16/01/20, 14:11 | ECONOMIA - Mesmo com reajuste, Congresso Nacional vai tentar aumentar salário mínimo
16/01/20, 14:01 | POLÍTICA - LULA EM ENTREVISTA: Quando um governo dá errado, quem perde é o povo’
16/01/20, 13:45 | POLÍTICA - Bolsonaro é “botequeiro de quinta” que cometeu “estelionato eleitoral”, diz Joice
16/01/20, 13:38 | POLÍTICA - Deputado bolsonarista bate na esposa após brigar com o sogro por “divergências partidárias”
16/01/20, 13:31 | POLÍTICA - Wadih Damous: Choro de Moro é reação a seu “projeto de poder” indo por ralo abaixo
16/01/20, 11:56 | ARTIGO - Bolsonaro - Tormenta - Paranoia - Escândalo
16/01/20, 11:15 | SAÚDE PÚBLICA - Dengue ameaça estados do Nordeste, Espírito Santo e Rio
16/01/20, 11:12 | ESPORTE - Luan brilha e Corinthians estreia com vitória na Florida Cup
16/01/20, 08:30 | POLÍTICA - Bolsonaro desistiu de Janaina Paschoal de vice por medo de ela pedir seu impeachment
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site