CBN - A rádio que toca notícia

DIREITO PENAL

Jurista comenta decisão de desembargador que soltou estuprador e mantém jornalista Arimateia Azevedo preso há 160 dias

O jornalista Arimatéia Azevedo encontra-se em prisão domiciliar há quase 160 dias sob acusação, sem prova, de prática de extorsão contra o cirurgião Alexandre Andrade, denunciado por ter deixado 40cm de pano no seio de uma paciente durante procedimento cirúrgico

20/11/20, 11:30
S
urpreendido com a decisão do desembargador Joaquim Dias de Santana Filho em colocar em liberdade, por força de Habeas Corpus, um estuprador de uma criança de oito anos, o jurista Miguel Dias Pinheiro voltou a enfocar o caso Arimatéia Azevedo, cuja liberdade foi negada pelo mesmo desembargador. 

O jornalista Arimatéia Azevedo encontra-se em prisão domiciliar há quase 160 dias sob acusação, sem prova,  de prática de extorsão contra o cirurgião Alexandre Andrade, denunciado por ter deixado 40cm de pano no seio de uma paciente durante procedimento cirúrgico. 

Para Miguel Dias, sem citar o nome do desembargador Joaquim Santana, “prende-se o jornalista sob o pífio e injustificável argumento do "crime de perigo abstrato". No entanto, soltam-se criminosos de todos os quilates, assassinos e estupradores confessos sob a "convincente" (entre aspas) justificativa de ausência de "perigo concreto" do agente infrator. Estariam invertendo a ordem dos valores? 

Leia o artigo na íntegra:

Caso Arimateia - Direito Penal Conspurcado

O Caso Arimateia Azevedo, jornalista proprietário do Portal AZ, preso preventivamente para que fosse concluída uma investigação policial duvidosa e contestada, volta a ser objeto de análise pela classe jurídica. Agora, supletivamente, por colocar nosso Direito Penal na berlinda e por macular a hermenêutica jurídica.

No Piauí, prende-se o jornalista sob o pífio e injustificável argumento do "crime de perigo abstrato". No entanto, soltam-se criminosos de todos os quilates, assassinos e estupradores confessos sob a "convincente" (entre aspas) justificativa de ausência de "perigo concreto" do agente infrator. Estariam invertendo a ordem dos valores? Claro que não! Convenço-me apenas pela ausência de uma boa e adequada leitura do Direito à espécie.

Na discussão da tese jurídica, permitam-me discorrer sobre o "perigo abstrato" e o "perigo concreto" no âmbito da criminologia.

Elementarmente, o crime de "perigo abstrato" é considerado e também chamado de "crime puro". Porque o risco advindo da conduta ou da suposta conduta é absolutamente presumido. Ao contrário, no crime de "perigo concreto" o risco deve ser comprovado. Assim, a acusação criminal tem o dever de demonstrar que da conduta houve perigo real para vítima certa e determinada e/ou para a sociedade.

Surgem, então, algumas indagações: "Para libertar um assassino ou um estuprador confesso pode-se aduzir que não houve comprovação de perigo concreto?" Como assim? A liberdade desses criminosos não enseja perigo abstrato e nem concreto para a sociedade?

Se para soltar um assassino ou um estuprador não há necessidade da demonstração e/ou comprovação pela acusação nos autos do processo-crime para mantê-lo na prisão, então haverá, por certo, no perigo abstrato? Não, doutor! Sem razão quem possa entender o contrário, "data máxima venia". Por quê? Porque em casos concretos haverá, sim, a probabilidade de um dano a um bem jurídico-penal.

No dizer da analista jurídica Vanessa Anderson, quando o legislador cria uma figura típica daquilo que é perigo, está ali impondo ou proibindo que se pratique ou que se deixe de praticar determinada conduta, entendendo que tal conduta tem o condão de lesar bens jurídicos. O crime se refere à necessidade de qualificação de uma conduta que é perigosa e que deve ser tratada como um problema de possibilidade de dano no caso concreto, atendendo aos bens jurídicos possivelmente postos em perigo e ao âmbito de atividade de onde se desenvolve essa situação, independentemente se o autor pode evitar a lesão quer seja por meio de recursos normais ou extraordinários.

A prisão do jornalista Arimateia Azevedo foi tratada pela autoridade judicante como "crime de perigo abstrato". Não houve nada de concreto no início. Em tese, poderia o jornalista colocar a investigação e a vítima em perigo? Acho que não! Aliás, a investigação já se findou. Não se justifica mais sequer a prisão domiciliar imposta.

"In casu", onde reside o perigo abstrato? Na mente do julgador ou no corpo societário? Ainda perdura o perigo? Claro que não! Tudo evaporou-se após a conclusão da investigação. Com o final desta, como justificar-se qualquer tipo de prisão imposta ao jornalista? Se a instrução criminal se encontra na fase conclusiva, como admitir-se limitar a liberdade de de ir e vir de Arimateia Azevedo, inclusive de exercer sua profissão em toda a sua plenitude como qualquer outro profissional?

A prisão preventiva (como ocorreu em relação ao jornalista citado) só pode ser decretada se os indícios são claros de que o investigado oferece perigo à investigação e/ou à sociedade. E não por uma gravidade abstrata de um crime em persecução, em análise jurisdicional. A propósito, a jurisprudência nesse sentido foi reafirmada no dia 21 de janeiro de 2019 pelo Superior Tribunal de Justiça.

Nenhuma gravidade abstrata de um crime justifica qualquer tipo de prisão. Quanto mais "ad eternum", sem prazo justificável e razoável. A  gravidade de um crime somente justifica a prisão de alguém pelo critério do "perigo concreto". Pronto! Porque cada crime apresenta seus respectivos núcleos jurídicos, suas peculiaridades. De modo que, quando tratar-se de "perigo abstrato" a prisão não prevalece nem como regra e nem como exceção, diga-se de passagem e como forma de admoestação

É no "perigo concreto" e não no "perigo abstrato" que deve ser investigada e comprovada a periculosidade do agente infrator. Basta! No "perigo abstrato", por exemplo, embora hajam indícios investigativos de possível materialidade e de autoria, estes não servirão e nem serão suficientes para justificar a conversão da prisão preventiva em domiciliar, como ocorreu no caso concreto do jornalista Arimateia Azevedo. Seja para este ou para outrem.

Fonte: JL/Portal AZ
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
25/11/20, 15:10 | LUTO - “Espero que possamos jogar bola juntos no céu”, diz Pelé sobre Maradona
25/11/20, 15:03 | LUTO - Maradona tinha tatuagens de Che e Fidel e se disse “soldado” de Lula e Dilma
25/11/20, 14:48 | ESPORTE - Neymar e Alisson são finalistas do prêmio Fifa The Best
25/11/20, 14:28 | LUTO - Morre Diego Maradona, aos 60 anos, após parada cardiorrespiratória
25/11/20, 11:14 | ECONOMIA - Black Friday: veja as dicas para não ser enganado
25/11/20, 11:08 | POLÍTICA - Revista Veja frita ministro Paulo Guedes: 'mentiroso' e 'medíocre'
25/11/20, 11:03 | PANDEMIA - Mundo tem pela primeira vez mais de 12 mil mortes por Covid-19 em um único dia
25/11/20, 10:52 | ECONOMIA - ‘Pergunta para o vírus’, diz Bolsonaro sobre chance de prorrogar auxílio
25/11/20, 10:50 | POLÍTICA - Explodem homicídios e tentativas de assassinato contra candidatos
24/11/20, 16:44 | POLÍTICA - TSE aponta 64 mil beneficiários do auxílio emergencial como doadores de campanhas eleitorais
24/11/20, 15:46 | PESQUISA - Datafolha em SP: Bruno Covas tem 48% e Guilherme Boulos, 40%
24/11/20, 15:25 | POLÍTICA - Percentual de prefeitos eleitos sem coligação quintuplica em 2020
24/11/20, 15:19 | PANDEMIA - Taxa de transmissão do novo coronavírus volta a crescer no Brasil
24/11/20, 15:15 | SAÚDE - Pazuello é convidado a dar explicações no Congresso sobre os 6,8 milhões de testes encalhados
24/11/20, 15:11 | POLÍTICA - Mulheres são maioria no eleitorado de cidades que terão segundo turno
24/11/20, 12:54 | INTERNACIONAL - Parlamento Europeu quer tirar 700 mil sem-teto das ruas até 2030
24/11/20, 12:51 | BENEFÍCIO - Caixa credita auxílio, dos ciclos 3 e 4, para os nascidos em junho
24/11/20, 12:49 | EDUCAÇÃO - Candidatos infectados por covid-19 terão nova chance de fazer Enem
23/11/20, 20:46 | POLÍTICA - Senado pode endurecer lei contra “seguranças” racistas
23/11/20, 15:51 | BENEFÍCIO - Caixa credita auxílio emergencial para nascidos em fevereiro
23/11/20, 15:47 | POLÍTICA - Barroso diz que milícias digitais são a versão contemporânea do autoritarismo
23/11/20, 15:36 | PANDEMIA - Testes de covid comprados pelo Ministério da Saúde já estão vencidos e prejuízo pode chegar a R$ 290 milhões
23/11/20, 15:33 | DECISÃO - Carrefour é condenado a indenizar casal homossexual agredido por seguranças em 2016
23/11/20, 08:04 | VÍDEO - Investigação encontra hackers de Bolsonaro: Esquema desvendado
23/11/20, 08:01 | VÍDEO - Mídia, Governo Bolsonaro e economia se unem contra negros!
23/11/20, 07:58 | VÍDEO - JORNAL LUZILÂNDIA PLAY: O racismo cordial de Bolsonaro
23/11/20, 07:07 | POLÍTICA - Governo Bolsonaro é denunciado na Comissão Interamericana por apagão no Amapá
23/11/20, 07:01 | POLÍTICA - Doria diz que eleição de Bolsonaro foi "erro" e afirma que não irá disputar a reeleição em 2022
23/11/20, 06:59 | PANDEMIA - Especial Covid-19: afinal, o Brasil já está passando pela segunda onda da doença?
22/11/20, 21:15 | POLÍTICA - Movimento antirracista pode derrotar a direita no segundo tuno, diz Paraná Pesquisas
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site