CBN - A rádio que toca notícia

INTERNACIONAL

Joe Biden, em sua primeira cúpula internacional: “Em muitos lugares o progresso democrático está sob ataque”

O presidente enfatiza o compromisso com a OTAN, depois da guinada isolacionista de Donald Trump

21/02/21, 20:29

O
presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, destacou nesta sexta-feira em seu primeiro grande discurso de temática internacional desde que chegou à Casa Branca, o retorno à cooperação com a Europa após a guinada isolacionista do Governo Donald Trump. “Os Estados Unidos estão de volta”, proclamou na Conferência de Segurança de Munique, em que se reuniu de modo virtual com seus aliados europeus. Biden também alertou para os riscos que pairam sobre as democracias. “Em muitos lugares, incluindo os Estados Unidos e a Europa, o progresso democrático está sob ataque”, ressaltou, fazendo um chamado para o combate aos “abusos econômicos e a coerção” da China.

Biden é um velho conhecido deste fórum de Munique, do qual participou como vice-presidente da Administração Barack Obama (2009-2017) e, antes disso, durante sua longa carreira como senador dos Estados Unidos. No entanto, o discurso que ele recordou nesta sexta-feira foi o que proferiu há relativamente pouco tempo, em 2019, quando, na condição de “ex” e com um líder como Donald Trump à frente do Governo, prometeu: “Os Estados Unidos vão voltar, não tenham nenhuma dúvida”. Dois anos depois, em tom de satisfação, o novo presidente comemorou por videoconferência: “Sou um homem de palavra. Os Estados Unidos estão de volta”.

A mudança de rumo da era Biden em relação à de Trump em política externa pode ser resumida em algumas frases redondas. A passagem do “America first” [América primeiro], a palavra de ordem do republicano, para o “America is back” [América está de volta], que não sai da boca de seu sucessor democrata. A realidade se mostra mais complexa. Washington ainda não retirou as tarifas que seu antecessor aplicou aos produtos europeus e diverge no tom e na estratégia a seguir em relação a Pequim e Moscou e o que identifica como uma escalada autoritária grave. Ambas as ideias pairaram no discurso desta sexta-feira, o primeiro dirigido a um público internacional desde que assumiu a presidência dos Estados Unidos.

“A aliança transatlântica voltou e não vamos olhar para trás”, disse Biden ao presidente francês, Emmanuel Macron, e à chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, dois líderes que foram fustigados por Trump e seus receios sobre a Europa nos últimos quatro anos. Os Estados Unidos, insistiu Biden, estão “totalmente comprometidos” com a OTAN, órgão que o republicano havia depreciado. O democrata lembrou, de fato, que a primeira vez que a Aliança recorreu ao artigo 5, aquele que pede uma ação caso algum aliado seja atacado, foi nos atentados do 11 de Setembro contra os Estados Unidos. Biden também declarou que o país está “determinado a voltar a se vincular à Europa”. Essa aliança gira em torno de valores democráticos compartilhados, em sua opinião, e por isso deve se traduzir em mão firme diante dos impulsos autoritários que existem em diferentes partes do mundo.

“Em muitos lugares, incluindo Estados Unidos e Europa, o progresso democrático está sob ataque”, alertou. “Nossa colaboração se manteve e cresceu ao longo dos anos porque decorre da riqueza de nossos valores democráticos compartilhados. Não são transacionais nem extrativistas”, frisou. O presidente norte-americano alertou que esta crise e outros desafios estruturais, fruto da quarta revolução industrial, colocaram os países em um “ponto de inflexão”, um embate entre aqueles que acreditam “que a autocracia é o melhor caminho” para seguir em frente e os que, pelo contrário, pensam que “a democracia é a melhor forma de enfrentar os desafios”.

A China ocupa uma posição central nos desafios que os Estados Unidos identificam. Se Trump punha a ênfase nos desequilíbrios comerciais, Biden costuma destacar as agressões aos direitos e liberdades, mas não esquece a competição econômica, que considera desleal. Washington e Pequim vivem o momento mais difícil em suas relações nas últimas décadas e esta crise, de várias frentes, vai além da mudança de Governo. “Temos que nos preparar juntos para uma competição estratégica de longo prazo com a China”, advertiu o atual presidente na sexta-feira, e continuou.

Biden argumenta que a firmeza com o regime de Xi Jinping não deve necessariamente levar a uma política de blocos “Leste-Oeste” típica da Guerra Fria nem interromper a cooperação em crises mundiais cruciais como a do coronavírus ou a das mudanças climáticas. Mas seu tom não é leve no que diz respeito ao gigante asiático. Na cúpula, pediu o recuo dos “abusos econômicos e coerção do Governo chinês, que minam as bases do sistema econômico internacional”. “Todos devem jogar sob as mesmas regras”, sublinhou.

Ele também apontou para Moscou. “[Vladimir] Putin busca erodir nossa aliança transatlântica porque é muito mais fácil para o Kremlin atacar e ameaçar os países de modo individual do que negociar com uma aliança unida.” Nesse sentido, prosseguiu: “Os líderes russos querem que as pessoas pensem que nosso sistema é mais corrupto, ou tão corrupto quanto o deles”, denunciou, “mas o mundo sabe que isso não é verdade, incluindo os próprios cidadãos da Rússia”. Uma hora antes, ele havia participado da cúpula do G-7, fórum em que Washington, por enquanto, ainda não quer convidar Moscou. A primeira reunião multilateral da era Biden se deu no mesmo dia em que foi formalizado o retorno de seu país ao Acordo de Paris. Os Estados Unidos mudaram, mas suas grandes frentes continuam sendo a China e a Rússia.

Fonte: JL/ElPaís
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
01/03/21, 21:16 | PANDEMIA - Roberto Carlos é vacinado contra covid-19 no Rio de Janeiro:
01/03/21, 21:05 | PANDEMIA - Secretários de Saúde defendem toque de recolher nacional das 20h às 6h
01/03/21, 21:01 | PANDEMIA - Média móvel de mortes por Covid-19 no Brasil bate recorde pelo 6º dia
01/03/21, 20:51 | DECISÃO - Supremo Tribunal garante porte de arma para guardas municipais
01/03/21, 20:46 | ECONOMIA - Petrobras anuncia novo reajuste: 5% na gasolina e 5% no diesel
01/03/21, 20:41 | INVESTIGAÇÃO - “Conversa de procuradores ou de gente do PCC?”, diz Gilmar Mendes sobre diálogos da Lava Jato
01/03/21, 17:05 | PANDEMIA - Governadores dizem que Bolsonaro mente sobre recursos repassados aos estados na pandemia
28/02/21, 12:23 | POLÍTICA - Tasso Jereissati lidera movimentação pró-impeachment de Bolsonaro no Senado
28/02/21, 12:18 | TECNOLOGIA - Google oferece capacitação profissional gratuita para mulheres
28/02/21, 11:47 | POLÍTICA - Daniel Silveira chora quase todos os dias na cadeia, diz colunista
28/02/21, 11:41 | POLÍTICA - Instituto Ipec: 61% não confiam em Bolsonaro e 58% desaprovam o modo como ele governa
28/02/21, 11:36 | PANDEMIA - Bolsonaro sobre lockdown por falta de UTIs: “Saúde sempre teve seus problemas”
28/02/21, 11:32 | PANDEMIA - Prefeitos começam a definir nesta 2ª cronograma para compra direta de vacinas
27/02/21, 20:28 | POLÍTICA - Reinaldo Azevedo admite que foi um erro ter apoiado impeachment de Dilma
27/02/21, 20:19 | POLÍTICA - Flávio Dino: “se governadores tiverem que bancar até o auxílio emergencial, Bolsonaro vai provar sua total inutilidade”
27/02/21, 07:27 | POLÍTICA - Bolsonaro diz que governador que 'fechar seu Estado' bancará auxílio emergencial
27/02/21, 06:50 | POLÍTICA - Requião diz que Moro e Dallagnol transformaram o Judiciário e o Ministério Público em
27/02/21, 06:46 | POLÍTICA - Monica Iozzi: ‘Estamos vivendo, com Bolsonaro, o pior momento da nossa história’
26/02/21, 19:12 | POLÍTICA - Relator diz que tirará desvinculação de saúde e educação da PEC emergencial
26/02/21, 18:58 | POLÍTICA - Lula diz que Lava Jato é quadrilha e Moro é o chefe
26/02/21, 18:48 | POLÍTICA - Bolsonaro acusa Dallagnol de “perseguir” sua família
26/02/21, 18:33 | PANDEMIA - Governos estaduais adotam medidas restritivas para combater covid-19
26/02/21, 17:33 | PANDEMIA - Enfermeira bolsonarista que se recusou tomar vacina morre de covid
25/02/21, 11:03 | POLÍTICA - Rodrigo Pacheco propõe a compra de vacinas por empresas privadas, estados e municípios
25/02/21, 10:35 | INVESTIGAÇÃO - PSOL denuncia ao TCU venda de refinaria da Petrobras pela metade do preço
25/02/21, 10:29 | PANDEMIA - Covidão em igreja evangélica com mais de 2 mil pessoas é fechado em Curitiba
25/02/21, 10:26 | ESPORTE - Liga dos Campeões: Real Madrid e Manchester City dão passo importante
25/02/21, 10:20 | POLÍTICA - Silveira diz que foi abandonado pela base de Bolsonaro e que foi “boi de piranha” para a PEC da impunidade
24/02/21, 18:45 | PANDEMIA - Começa distribuição de 3,2 milhões de doses da vacina contra covid-19
24/02/21, 10:58 | ECONOMIA - Conta de luz mais cara. Esse será o efeito da privatização da Eletrobras
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site